• Você está em: 
  • Home
  • Notícias

08/01/2018 - CORDÃO DA BOLA PRETA TEM DÍVIDAS MILIONÁRIAS E TRAVA DISPUTA ATÉ COM POLICIAIS

CORDÃO DA BOLA PRETA TEM DÍVIDAS MILIONÁRIAS E TRAVA DISPUTA ATÉ COM POLICIAIS

 

Sócios-proprietários acusam Oscip de ficar com a parte boa da instituição, que é o controle da marca e a organização do desfile

O Cordão da Bola Preta chega ao centésimo desfile de sua história amarrado a uma crise de identidade. Desde que perdeu a sede própria, na Cinelândia, em 2008, o mais tradicional bloco da cidade vem sendo gerido pela Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, Oscip, o Centro Cultural Cordão da Bola Preta. No entanto, sócios-proprietários do Clube Cordão da Bola Preta acusam o Centro de ficar com a parte boa da instituição, que é o controle da marca e a organização do desfile, enquanto dívidas milionárias consomem o que resta de patrimônio do Bola original, como salas comerciais e uma sede campestre, na Região Serrana.

Somente ao Condomínio do Edifício Municipal, onde ficava a sede, o Bola Preta deve cerca de R$ 4 milhões. Além dos problemas com os antigos sócios, o Centro Cultural também enfrenta uma disputa com a polícia. O atual espaço ocupado pelo Bola, na Rua da Relação, é reivindicado pelo Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol). Segundo o presidente Fernando Bandeira, a entidade gastou cerca de R$ 500 mil para reformar o imóvel, que estava abandonado e caindo as pedaços, para depois o ex-governador Sérgio Cabral "tomar" e entregar ao atual Bola Preta. "Desalojaram a gente na maior covardia. O espaço pertence à RioTrilhos e nos foi cedido em regime de comodato pela ex-governadora Rosinha (Garotinho)", explicou Bandeira, que prossegue: "Aí assumiu o Cabral e no primeiro ano deu esse golpe na família policial".

O DIA procurou o Centro Cultural Cordão da Bola Preta, mas a assessoria de imprensa informou que o presidente Pedro Ernesto não ia atender a reportagem.


Uniforme de bolas pretas dos foliões é item indispensável nos desfiles

CEM ANOS

Apesar das crises internas e externas, o Cordão da Bola Preta resiste. Isso porque, muito além de ser o mais tradicional bloco de embalo da cidade, o Bola, na opinião do professor de Ciências Sociais da Estácio de Sá, o antropólogo Artur Nunes Gomes, representa "a capacidade extraordinária do povo carioca de fazer festa, celebrar a união e, principalmente, combater de forma lúdica as desigualdades e problemas sociais". E uma das versões para a fundação do bloco, em 31 de dezembro de 1918, foi justamente um problema social. É que naquele ano, o chefe de polícia baixou uma portaria ameaçando prender os foliões e cassar a licença dos cordões e grupos que perturbassem a ordem pública. Alvaro Gomes de Oliveira, o Kveirinha, conhecido folião da época, resolveu desafiar a polícia. Juntou os amigos e alugou a sede do Clube dos Políticos, na Rua do Passeio, onde inaugurou o Cordão com um "maxixético e rebolativo" baile. A princípio, o grupo se chamaria "Só se bebe água". Mas a visão de uma linda foliã usando camisa branca com bolas pretas mudou o destino do bloco.

Embalado pelo ressurgimento dos blocos de rua, o Cordão da Bola Preta tem arrastado multidões em seus desfiles, que são realizados no sábado de Carnaval, com a presença de foliões anônimos e até personalidades, como Tia Surica.


Tia Surica, baluarte da Portela, é presença confirmada no bloco

Fonte: Wilson Aquino . O Dia