• Você está em: 
  • Home
  • Notícias

21/02/2018 - VERBA DA SEGURANÇA NO RIO SOFREU CORTES EM 2017 DE R$ 1,4 BILHÃO

VERBA DA SEGURAN?A NO RIO SOFREU CORTES EM 2017 DE R$ 1,4 BILH?O

Os recursos que o Estado destinaria para a seguran?a p?blica sofreram um dr?stico corte no ano passado. Ao todo, o governo contingenciou R$ 1,4 bilh?o. Dados obtidos pelo GLOBO mostram que o or?amento das secretarias de Seguran?a e de Administra??o Penitenci?ria, da PM e da Pol?cia Civil, que chegava a R$ 8,3 bilh?es, teve uma redu??o de 16,8%, em 2017.

A interven??o federal na ?rea de seguran?a fluminense, decretada na ?ltima sexta-feira, ainda n?o estabeleceu se o Rio receber? mais recursos financeiros para o combate da viol?ncia, e, em caso positivo, quando a verba chegar? aos cofres do estado e de onde sair?.

Ao longo do ano passado e in?cio deste ano, a falta de dinheiro dificultou a apura??o de crimes por parte da Pol?cia Civil. Mesmo o policiamento ostensivo s? se manteve com a ajuda da popula??o, de associa??es locais e de prefeituras. O governador do Rio, Luiz Fernando Pez?o, no entanto, afirmou, na ?ltima segunda-feira, que as pol?cias n?o vivem um quadro de fal?ncia.

- N?o estamos em estado de fal?ncia de maneira nenhuma. N?s fomos o governo que mais valorizou as pol?cias militar e civil e o Corpo de Bombeiros. Temos no pa?s um dos maiores or?amentos da Uni?o entre os estados. Acabamos de dar um aumento pra todos os policiais e agentes penitenci?rios. N?o vai entrar dinheiro nenhum (federal) para a frota (que ser? ampliada). N?o est? entrando dinheiro nenhum (federal) pra combust?vel. Isso tudo estamos vencendo com a crise - afirmou Pez?o.

Apesar do otimismo de Pez?o, a regra, no ano passado, foi n?o aplicar o que estava previsto. A Secretaria de Seguran?a contava com um or?amento inicial de R$ 102 milh?es, mas deixou de executar R$ 50 milh?es (49%). A Secretaria de Administra??o Penitenci?ria, com uma verba de R$ 932 milh?es, deixou de aplicar R$ 104 milh?es (11,1%). A Pol?cia Civil, com previs?o de R$ 1,7 bilh?o em recursos, contingenciou R$ 258,1 milh?es (15,1%). E a Pol?cia Militar, com R$ 5,5 bilh?es, "congelou" R$ 990,6 milh?es (17,8%).

 

VIATURAS EM P?SSIMO ESTADO

A falta de recursos teve consequ?ncia direta no policiamento. No in?cio do ano passado, a PM estimava contar com R$ 46,9 milh?es para a gest?o de sua frota de mais de seis mil carros, mas, ao longo de 2017, s? foram liberados R$ 3,3 milh?es. O resultado se viu nas ruas: ve?culos parados ou em p?ssimo estado de conserva??o. Diante das dificuldades, alguns munic?pios tomaram para si os custos de manuten??o dos ve?culos. Em Niter?i, por exemplo, a prefeitura firmou um conv?nio para consertar as viaturas do 12? BPM (Niter?i).

Na Barra da Tijuca, associa??es de moradores e o Conselho Comunit?rio de Seguran?a (CCS) da ?rea do 31? BPM (Recreio) pagaram pela manuten??o de viaturas e compraram insumos b?sicos, como papel, para as duas delegacias da regi?o, a 16? DP (Barra) e a 42? DP (Recreio).

Segundo o presidente da Associa??o de Oficiais Militares Estaduais do Rio de Janeiro, coronel Carlos Fernando Ferreira Belo, a Pol?cia Militar est? carente de praticamente todos os insumos necess?rios para exercer sua fun??o:

- Eu diria que o cen?rio ? ca?tico, seja em termos de viaturas, de coletes bal?sticos, de uniforme.

Este ano, a Pol?cia Civil tem previsto um or?amento total de R$ 1,8 bilh?o, mas R$ 1,66 bilh?o (92%) est?o aplicados na rubrica "pessoal e encargos sociais". No caso da PM, os gastos totais devem somar R$ 5 bilh?es em 2018. Desse valor, R$ 4,3 bilh?es (86,6%) ser?o destinados ao pagamento de pessoal.


O Globo