• Você está em: 
  • Home
  • Notícias

21/02/2018 - VERBA DA SEGURANÇA NO RIO SOFREU CORTES EM 2017 DE R$ 1,4 BILHÃO

VERBA DA SEGURANÇA NO RIO SOFREU CORTES EM 2017 DE R$ 1,4 BILHÃO

Os recursos que o Estado destinaria para a segurança pública sofreram um drástico corte no ano passado. Ao todo, o governo contingenciou R$ 1,4 bilhão. Dados obtidos pelo GLOBO mostram que o orçamento das secretarias de Segurança e de Administração Penitenciária, da PM e da Polícia Civil, que chegava a R$ 8,3 bilhões, teve uma redução de 16,8%, em 2017.

A intervenção federal na área de segurança fluminense, decretada na última sexta-feira, ainda não estabeleceu se o Rio receberá mais recursos financeiros para o combate da violência, e, em caso positivo, quando a verba chegará aos cofres do estado e de onde sairá.

Ao longo do ano passado e início deste ano, a falta de dinheiro dificultou a apuração de crimes por parte da Polícia Civil. Mesmo o policiamento ostensivo só se manteve com a ajuda da população, de associações locais e de prefeituras. O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, no entanto, afirmou, na última segunda-feira, que as polícias não vivem um quadro de falência.

- Não estamos em estado de falência de maneira nenhuma. Nós fomos o governo que mais valorizou as polícias militar e civil e o Corpo de Bombeiros. Temos no país um dos maiores orçamentos da União entre os estados. Acabamos de dar um aumento pra todos os policiais e agentes penitenciários. Não vai entrar dinheiro nenhum (federal) para a frota (que será ampliada). Não está entrando dinheiro nenhum (federal) pra combustível. Isso tudo estamos vencendo com a crise - afirmou Pezão.

Apesar do otimismo de Pezão, a regra, no ano passado, foi não aplicar o que estava previsto. A Secretaria de Segurança contava com um orçamento inicial de R$ 102 milhões, mas deixou de executar R$ 50 milhões (49%). A Secretaria de Administração Penitenciária, com uma verba de R$ 932 milhões, deixou de aplicar R$ 104 milhões (11,1%). A Polícia Civil, com previsão de R$ 1,7 bilhão em recursos, contingenciou R$ 258,1 milhões (15,1%). E a Polícia Militar, com R$ 5,5 bilhões, "congelou" R$ 990,6 milhões (17,8%).

 

VIATURAS EM PÉSSIMO ESTADO

A falta de recursos teve consequência direta no policiamento. No início do ano passado, a PM estimava contar com R$ 46,9 milhões para a gestão de sua frota de mais de seis mil carros, mas, ao longo de 2017, só foram liberados R$ 3,3 milhões. O resultado se viu nas ruas: veículos parados ou em péssimo estado de conservação. Diante das dificuldades, alguns municípios tomaram para si os custos de manutenção dos veículos. Em Niterói, por exemplo, a prefeitura firmou um convênio para consertar as viaturas do 12º BPM (Niterói).

Na Barra da Tijuca, associações de moradores e o Conselho Comunitário de Segurança (CCS) da área do 31º BPM (Recreio) pagaram pela manutenção de viaturas e compraram insumos básicos, como papel, para as duas delegacias da região, a 16ª DP (Barra) e a 42ª DP (Recreio).

Segundo o presidente da Associação de Oficiais Militares Estaduais do Rio de Janeiro, coronel Carlos Fernando Ferreira Belo, a Polícia Militar está carente de praticamente todos os insumos necessários para exercer sua função:

- Eu diria que o cenário é caótico, seja em termos de viaturas, de coletes balísticos, de uniforme.

Este ano, a Polícia Civil tem previsto um orçamento total de R$ 1,8 bilhão, mas R$ 1,66 bilhão (92%) estão aplicados na rubrica "pessoal e encargos sociais". No caso da PM, os gastos totais devem somar R$ 5 bilhões em 2018. Desse valor, R$ 4,3 bilhões (86,6%) serão destinados ao pagamento de pessoal.


O Globo

19/02/2018 - SECRETÁRIO DE SEGURANÇA: "FIZ O MEU MELHOR"

SECRETÁRIO DE SEGURANÇA: "FIZ O MEU MELHOR"

Entidades de policiais se dividem entre elogios e críticas a Sá

Vera Araújo


  Antes de embarcar num voo da FAB de volta a Brasília, na manhã desta sexta-feira, o governador Luiz Fernando Pezão se reuniu com a cúpula de segurança, o titular da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) e o comandante do Corpo de Bombeiros, no Palácio Laranjeiras, para comunicar sobre a intervenção federal no Rio. O único a pôr o cargo à disposição foi o secretário de Segurança, Roberto Sá. Ele tentou explicar ao governador que, apesar das cenas de barbárie - roubos, arrastões e saque a um supermercado na Zona Sul - vistas pelas redes sociais durante o carnaval, os índices do Instituto de Segurança Pública, de 9 a 14 deste mês, foram, em sua maioria, mais baixos do que na mesma época em anos anteriores.

O secretário se justificou dizendo que não teve verba suficiente para pagar o Regime Adicional de Serviços (RAS) dos policiais, medida que disse ter sido criada por ele para garantir um maior efetivo nas ruas. Em sua defesa, disse ainda que estava com 60% da frota da polícia parada por falta de manutenção.

- Já coloquei o cargo à disposição do governador. A decisão agora é do novo gestor (o general Walter Souza Braga Netto) - afirmou ele, que reconheceu o aumento da criminalidade no estado. - Ninguém está dizendo que está tudo bem, mas dei o meu melhor.

Sá lembrou que, em 11 anos na cúpula da segurança do Rio, a sua gestão de pouco mais de um ano como secretário foi o período em que a crise financeira mais se intensificou. Fontes da secretaria disseram que ele saiu abatido do cargo, contrariado com a decisão de Pezão, por entender que, apesar do decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) assinado pelo governo estadual e a União, em 28 de julho do ano passado, os militares não quiseram assumir o patrulhamento das principais vias do Rio, como Linha Vermelha, Linha Amarela, Avenida Brasil e rodovias Presidente Dutra e Washington Luiz, além do Arco Metropolitano. As Forças Armadas, segundo essa mesma fonte, só aceitaram fazer cercos em comunidades, como no Jacarezinho e na Rocinha.

Em tom de despedida, Sá agradeceu ao apoio dos policiais. No entanto, representantes de algumas categorias da classe se dividem entre elogios e críticas a sua atuação na pasta. O presidente da Associação de Oficiais Militares Estaduais, coronel da PM Fernando Belo, disse que a saída do secretário era algo natural.

- Se as coisas não estavam funcionado, a saída dele era natural com a intervenção. Na verdade, ele foi vítima de seu antecessor, o ex-secretário de Segurança José Mariano Beltrame porque recebeu a pasta com uma série de problemas. Os quartéis com uma redução da metade de seu efetivo, as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) abandonadas, os policiais com salários atrasados e, o pior, policiais morrendo para dar segurança à sociedade, comentou Belo.


DÉFICIT DE POLICIAIS

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), Fernando Bandeira, concordou que Sá assumiu no pior momento da crise da segurança, com déficit de policiais nas duas corporações. Na Polícia Civil, há atualmente 9.654 homens, quando o efetivo deveria ser de 23.126 servidores.

 O secretário é muito competente, correto, sério. Nunca permitiu nenhum desvio de conduta nas duas polícias. Mas a verdade é que a carência de efetivo é muito grande. Não há gente suficiente para investigar e concluir os inquéritos - afirmou Bandeira. - A situação na área de segurança é muito difícil. As delegacias estão entregues às baratas

Para Márcio Garcia, presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sindpol), o secretário não teve pulso para comandar a segurança:

 A saída de Sá marca o fim de uma era de triste memória para a polícia fluminense. Foram 11 anos junto com Beltrame e o sonho dourado e inexequível das UPPs, que terminaram de forma melancólica com a maior crise na segurança pública de nossa história. Esperamos que os mesmos erros que naufragaram o Rio não se repitam na nova gestão intervencionista.

 Fonte:O Globo

08/02/2018 - COM O APOIO DO SINPOL, BLOCO DOS SERVIDORES DESFILA PELO CENTRO DO RIO

BLOCO DOS SERVIDORES DESFILA NO CENTRO COM APOIO DO SINPOL

 

             Mesac (E), da associação dos Bombeiros Militares, puxou as marchinhas contra o governo

Com o apoio do SINPOL (Sindicato dos Policiais Civis), que emprestou o carro de som, servidores públicos estaduais estiveram protestando hoje,  em frente ao Comando Militar do Leste, contra a Reforma da Previdência do governo Temer, atraso no pagamento do 13º salário de 2018, desconto previdenciário de 14%, além da falta de pagamento da premiação por metas e RAS do pessoal da Segurança. Bombeiros, policias civis, agentes penitenciários, pensionistas, funcionários da Saúde, entre outros, formaram o ?Bloco do Servidor Revoltado?, que desfilaram pelas vias centrais da Cidade cantando marchinhas contra o governo do Estado.

Após se concentrarem ao lado da Central do Brasil, e puxados por uma bateria, se dirigiram em caminhada pela Avenida Presidente Vargas ? sentido Candelária ? até ao prédio da secretaria estadual de Fazenda, quase esquina com Rua dos Andradas. Após fazerem protesto na porta da secretaria estadual de Fazenda, os servidores que tiveram o Bloco puxado pela voz do Bombeiro Militar, Mesac Infrain, fizeram parada no HemoRio onde alguns funcionários públicos doaram sangue, atendendo apelo da instituição que precisavam repor seu estoque de sangue durante os dias de folia.

Os colaboradores do Sinpol e sindicalistas - Berenaldo e Giordane - à frente do Bloco


O protesto bem animado fechou o trânsito na Presidente Vargas, em frente à SEFAZ



 

25/01/2018 - ELEIÇÃO DO DIA 30 FOI SUSPENSA E TRANSFEREIDA PARA 27 DE FEVEREIRO

ELEIÇÃO PARA DIRETORIA DO SINPOL SERÁ DIA 27 DE FEVEREIRO

Como não surgiram chapas para concorrer às eleições do SINPOL, marcada para a próxima terça-feira, dia 30/01, o pleito foi suspenso por unanimidade na reunião de diretoria ocorrida hoje no Sindicato. O pleito agora será realizado dia 27 de fevereiro em definitivo. De acordo com Fernando Bandeira, presidente do SINPOL, a medida se faz necessária já que apenas uma chapa se registrou no período estipulado pelo Edital publicado no Povo do Rio, de 23 de dezembro último: do dia 26 de dezembro de 2017 a 8 de janeiro de 2018.

Uma nova data foi marcada pela diretoria do Sindicato para que o processo tenha ampla divulgação e haja tempo para os interessados registrar suas chapas. Os policiais civis que queiram concorrer, devem ficar atentos à publicação de um novo Edital, nos próximos dias.

         (E) Os diretores Fittipaldi, Renato Alvarez, Geraldo Ferreira, Leonardo Motta, Daisy Rocha, Luiz Prates, Fernando Bandeira e advogada, Maria Goretti

 

10/01/2018 - POLICIAIS DO RN TÊM TODO APOIO DO SINPOL/RJ

POLICIAIS DO RN TÊM TODO APOIO DO SINPOL/RJ

NOTA DO SINPOL


O SINPOL apóia a greve dos policiais militares e civis do Rio Grande do Norte enquanto o governo daquele estado não quitar os pagamentos de novembro e dezembro, mais o 13º salário de 2017. Os policiais que estão paralisados há mais de três semanas, cobram também melhores condições de trabalho: circulam com carros em péssimo estado de conservação, sem licenciamento e pouco combustível. Os policiais civis cruzaram os braços em protesto e só atendem flagrantes em regime de plantão em duas delegacias de Natal.

Lá como cá, os integrantes da Segurança Pública merecem todo nosso respeito e admiração pelo trabalho árduo que exercem. Aqui, o governador Pezão assegurou ao Site do SINPOL pagar o 13º salário até o fim de janeiro, e hoje, quitar o mês de novembro aos servidores que ainda não receberam. "Caso não haja mais ações na Justiça que obstruam a venda de 50% das ações da Cedae, diz Pezão, vamos colocar os vencimentos em dia", assegurou ele ao jornalista Cláudio Alves, do SINPOL.  As ações da companhia entraram como contragarantia para o BNP Paribas emprestar 2, 9 bilhões ao Estado. R$ 2 Bi já vieram, agora falta o aval do Tesouro Nacional para liberar mais R$ 900 milhões. 

Em março, em reunião com o SINPOL e outras entidades, Bandeira (C) já cobrava do governador a regularização           dos pagamentos

08/01/2018 - CORDÃO DA BOLA PRETA TEM DÍVIDAS MILIONÁRIAS E TRAVA DISPUTA ATÉ COM POLICIAIS

CORDÃO DA BOLA PRETA TEM DÍVIDAS MILIONÁRIAS E TRAVA DISPUTA ATÉ COM POLICIAIS

 

Sócios-proprietários acusam Oscip de ficar com a parte boa da instituição, que é o controle da marca e a organização do desfile

O Cordão da Bola Preta chega ao centésimo desfile de sua história amarrado a uma crise de identidade. Desde que perdeu a sede própria, na Cinelândia, em 2008, o mais tradicional bloco da cidade vem sendo gerido pela Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, Oscip, o Centro Cultural Cordão da Bola Preta. No entanto, sócios-proprietários do Clube Cordão da Bola Preta acusam o Centro de ficar com a parte boa da instituição, que é o controle da marca e a organização do desfile, enquanto dívidas milionárias consomem o que resta de patrimônio do Bola original, como salas comerciais e uma sede campestre, na Região Serrana.

Somente ao Condomínio do Edifício Municipal, onde ficava a sede, o Bola Preta deve cerca de R$ 4 milhões. Além dos problemas com os antigos sócios, o Centro Cultural também enfrenta uma disputa com a polícia. O atual espaço ocupado pelo Bola, na Rua da Relação, é reivindicado pelo Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol). Segundo o presidente Fernando Bandeira, a entidade gastou cerca de R$ 500 mil para reformar o imóvel, que estava abandonado e caindo as pedaços, para depois o ex-governador Sérgio Cabral "tomar" e entregar ao atual Bola Preta. "Desalojaram a gente na maior covardia. O espaço pertence à RioTrilhos e nos foi cedido em regime de comodato pela ex-governadora Rosinha (Garotinho)", explicou Bandeira, que prossegue: "Aí assumiu o Cabral e no primeiro ano deu esse golpe na família policial".

O DIA procurou o Centro Cultural Cordão da Bola Preta, mas a assessoria de imprensa informou que o presidente Pedro Ernesto não ia atender a reportagem.


Uniforme de bolas pretas dos foliões é item indispensável nos desfiles

CEM ANOS

Apesar das crises internas e externas, o Cordão da Bola Preta resiste. Isso porque, muito além de ser o mais tradicional bloco de embalo da cidade, o Bola, na opinião do professor de Ciências Sociais da Estácio de Sá, o antropólogo Artur Nunes Gomes, representa "a capacidade extraordinária do povo carioca de fazer festa, celebrar a união e, principalmente, combater de forma lúdica as desigualdades e problemas sociais". E uma das versões para a fundação do bloco, em 31 de dezembro de 1918, foi justamente um problema social. É que naquele ano, o chefe de polícia baixou uma portaria ameaçando prender os foliões e cassar a licença dos cordões e grupos que perturbassem a ordem pública. Alvaro Gomes de Oliveira, o Kveirinha, conhecido folião da época, resolveu desafiar a polícia. Juntou os amigos e alugou a sede do Clube dos Políticos, na Rua do Passeio, onde inaugurou o Cordão com um "maxixético e rebolativo" baile. A princípio, o grupo se chamaria "Só se bebe água". Mas a visão de uma linda foliã usando camisa branca com bolas pretas mudou o destino do bloco.

Embalado pelo ressurgimento dos blocos de rua, o Cordão da Bola Preta tem arrastado multidões em seus desfiles, que são realizados no sábado de Carnaval, com a presença de foliões anônimos e até personalidades, como Tia Surica.


Tia Surica, baluarte da Portela, é presença confirmada no bloco

Fonte: Wilson Aquino . O Dia

05/01/2018 - EM REUNIÃO COM O MUSPE, PEZÃO DESCARTOU PAGAMENTO DE JUROS SOBRE ATRASADOS

EM REUNIÃO COM O MUSPE, PEZÃO DESCARTOU PAGAMENTO DE JUROS SOBRE ATRASADOS

Em reunião com líderes do Movimento Unificado dos Servidores (Muspe), Luiz Fernando Pezão descartou o pedido feito pelos representantes do funcionalismo para o pagamento de correção monetária sobre os vencimentos atrasados, em especial o 13º de 2016, pago com um ano de atraso a mais de 227 mil:

A gente está com dificuldade de manter o salário em dia, não tem como calcular juros. O governo não deu essa linha (de pagar juros), disse Pezão, lembrando que nunca prometeu pagar correção diante dos atrasados.

Os servidores lembraram que a correção monetária pelo percentual da inflação do período está prevista na Constituição do Estado. Se dependesse das regras estaduais, o estado teria que calcular percentuais mensais sobre os atrasados, de acordo com a incidência para cada funcionário. No caso do 13º de 2016, o cálculo teria de ser sobre janeiro a novembro de 2017.

 

Fonte: O Dia - Nelson Lima Neto

02/01/2018 - A IMPORTÂNCIA DA PAPILOSCOPIA

Fonte: O Globo - 23/12/2017

Nota do SINPOL

A matéria do Jornal O Globo mostra como a papiloscopia é uma ciência importante para a elucidação dos crimes. No caso em foco, foi a digital do dedinho de Geddel Vieira Lima que permitiu à Polícia Federal descobrir ser ele o dono da dinheirama encontrada num apartamento em Salvador, permitindo a maior apreensão de dinheiro vivo da história do Brasil. A matéria mostra que não só este crime foi elucidado utilizando os recursos da papiloscopia, como também do serial killer de Goiânia, Tiago Henrique Gomes, condenado 28 vezes, cujas digitais foram encontradas num corpo. Entretanto, apesar da importância dessa ciência, que chegou ao Brasil em 1903, através do jornalista e escritor, Félix Pacheco, os papiloscopistas são em pequeno número tanto no nível federal como estadual. No Rio,temos 96 papiloscopistas que já fizeram o curso de formação na Acadepol, faltando apenas a nomeação e posse, além de 220 papiloscopistas excedentes do concurso de 2015 que aguardam fazer o curso de formação. Há necessidade não só de mais concursos como também que os aprovados no concurso de 2015 sejam nomeados a fim de atender melhor a demanda de crimes no Estado do Rio de Janeiro.

 

26/12/2017 - ELEIÇÃO: SINPOL ABRE PRAZO PARA INCRIÇÃO DE CHAPA

Dando prosseguimento ao processo eleitoral do SINPOL, foi instalada hoje (26 de dezembro)  a Comissão Eleitoral e, em seguida, aberto o prazo para o registro de chapas para a Eleição da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal para o quadriênio 2018/2021, entre o dia 26 de dezembro de 2017 a 8 de janeiro de 2018. A eleição será no dia 30 de janeiro das 9h às 17h.



.



23/12/2017 - ABERTO PROCESSO ELEITORAL NO SINPOL

Recebimento de inscrições de chapas vai até 8 de janeiro

O SINPOL fará eleição para a renovação de sua diretoria no próximo dia 30 de janeiro das 9h às 17 h, em sua sede na Rua Riachuelo nº 191/B - Térreo, Centro - RJ.  A Comissão Eleitoral, indicada pela Diretoria Executiva, já fixou as datas para o recebimento de inscrições de chapas que será do dia 26 de dezembro de 2017 a 8 de janeiro de 2018, de acordo com o artigo 58 do Estatuto, na sede do Sindicato das 10h às 17h.

O Edital publicado no jornal O Povo, de 23 de dezembro, encontra-se à disposição no site e afixado na sede do Sindicato.



22/12/2017 - SINDICATOS DISTRIBUEM CESTAS DE NATAL A SERVIDORES ESTADUAIS

SINDICATOS DISTRIBUEM CESTAS DE NATAL A SERVIDORES ESTADUAIS

O Dia - Ana Clara Veloso


Ainda era madrugada quando Carlos Alberto Gorni, de 46 anos, chegou na Paróquia São Lourenço, em Bangu, para garantir as cestas da mãe, Maria Madalena, e da irmã Isabelle, ambas pensionistas do Estado do Rio. No local, estava marcada para começar às 9h a distribuição de cerca de 300 kits básicos de alimentação a quem sofre com salários atrasados há cerca de dois anos. O recolhimento dos alimentos foi feito pela ONG Ação da Cidadania e oferecido a três sindicatos de trabalhadores

Enquanto recebiam as cestas, os beneficiados agradeciam, mas também confessavam que a ajuda passa longe de resolver seus problemas:

- Moramos eu e minha filha sozinhas e nossas únicas fonte de renda são as duas pensões do meu marido. Agora a gente não tem mais nada: nem sabão, nem feijão. E estamos devendo até a cabeça, mais de R$ 20 mil. Desde 2016 eu só pego empréstimo. Peguei dinheiro no cheque especial pois não tinha o que comer. E não durmo mais. Estou de cabelo branco, com a pressão alta, me sentindo impotente. O nosso dinheiro está na mesa do Pezão - lamentou Maria Madalena Gorni.

Enquanto tentava ajudar a mãe, Carlos Alberto - que era motorista em uma empresa de ônibus, mas está desempregado desde o último dia 6, ainda passou por apuros.

- Cheguei aqui às 4h50M. Minha esposa viria para segurar o lugar da minha mãe, que tem 65 anos, mas falei que era muito perigoso. Acabou que eu mesmo fui assaltado na porta, esperando a paróquia abrir - contou ele, que foi rendido por um jovem com uma arma de brinquedo, mas teve seu celular recuperado logo depois por policiais.

A servidora da Saúde Dalma Mello, de 50 anos, chegou às 6h. Mas isso só foi possível graças a uma carona oferecida por uma antiga colega de trabalho. Com o filho de 24 anos desempregado há um ano e meio - ele era vigilante - ela não tinha dinheiro sequer para pagar a passagem até a paróquia.

- Moramos na casa: eu, meu filho desempregado de 24 anos, outro de 12 e um neto de três. Tudo está as minhas custas. Mas com essa situação, tive que arranjar bicos. Estou trabalhando para a minha sobrinha: cuidando dos filhos dela, lavando e passando roupa. Mas não dá para bancar. Essa bolsa de comida vai para a alimentação do meu neto, que é menor - contou.

Nesta sexta-feira devem ser distribuídas mais 200 cestas de Natal pelos sindicatos, em Quintino.

- A Ação da Cidadania fez uma campanha "Natal sem fome", antes de outubro, para arrecadar alimentos. Conseguiu juntar 100 toneladas e disse que destinaria parte aos servidores do estado. Então três sindicatos foram contactados para fazer a distribuição - explicou Marcos Freitas, coordenador geral do Sindpefaetec.

 

MACARRÃO PARA QUEM FICOU SEM CESTA

Cerca de 30 pessoas ficaram sem cestas. Para elas não saírem de mãos vazias, a organização distribuiu pacotes de macarrão vindos de doações avulsas. A decepção, porém, foi evidente.

- Saí de casa às 8h, mas como moro em Inhoaíba, cheguei quase às 10h. Não consegui a cesta e só peguei três macarrões. Mas estão abençoados. Vou esperar aqui para ver se ganho mais um pacote - disse Neuza Maria de Oliveira, de 67 anos:

- A situação está péssima. Não tem nada na minha casa. Sou pensionista do salário mínimo e estou há três meses sem receber. Moro com dois filhos que estão desempregados há um ano (ela era vendedora e ele, segurança). Eles só choram. Nossas contas estão atrasadas, fizemos dívidas, eu estou com o nome sujo. Isso nunca tinha acontecido antes, apesar de ganhar pouco. Sempre paguei tudo em dia e minha filha me dava uma ajuda, R$ 250 quando podia. Nese mês, meu irmão pagou meu gás. Mas não vou ter Natal. Além de tudo, a minha pressão fica alta com frequência, chega a marcar 22. Tive três picos neste mês. Estou sempre na UPA.


Nota do SINPOL

 A pedido do Muspe, Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais, O Sindicato dos Policiais Civis (SINPOL) cedeu o caminhão que transportou ontem cerca de 300 cestas básicas que foram distribuídas aos servidores com salários atrasados.




20/12/2017 - ESTADO PAGA NESTA QUARTA-FEIRA 13° DE 2016 E SALÁRIO DE OUTUBRO

ESTADO PAGA NESTA QUARTA-FEIRA 13° DE 2016 E SALÁRIO DE OUTUBRO

 

O governo estadual pagará nesta quarta-feira (20) o 13º salário de 2016 e os salários de outubro para o funcionalismo, em um total de R$ 2 bilhões. A informação foi divulgada pelo estado há pouco.

Os recursos são da operação de crédito de R$ 2,9 bilhões com o BNP Paribas. O estado recebe, nesta primeira leva, R$ 2 bilhões, que serão destinados para os pagamentos de atrasados dos servidores ativos, aposentados e pensionistas.

O restante do valor, os R$ 900 milhões, deve entrar no caixa estadual em janeiro. O 13º salário de 2016 será quitado para 249.927 ativos, aposentados e pensionistas que ainda não tinham recebido. Será depositado R$ 1,231 bilhão líquido.

Sobre outubro serão depositados R$ 567,8 milhões líquidos referentes aos salários de outubro para 209.917 ativos, inativos e pensionistas.


Fonte: Paloma Savedra . O Dia

14/12/2017 - EMPRÉSTIMO AO RIO PARA PAGAR ATRASADOS SAI NESTA QUINTA

EMPRÉSTIMO AO RIO PARA PAGAR ATRASADOS SAI NESTA QUINTA

Governador Pezão está em Brasília para assinatura de contrato com o BNP Paribas, que garantirá R$ 2,9 bilhões ao estado

 

Apostando que não haverá mais nenhum obstáculo, o governador Luiz Fernando Pezão reafirmou à Coluna que o empréstimo de R$ 2,9 bilhões ao Rio será assinado hoje. "Os contratos acabaram de ficar prontos, será assinado amanhã (nesta quinta-feira)", disse ontem Pezão, que está em Brasília para a solenidade. Representantes do BNP Paribas, banco responsável pelo crédito, estarão hoje na capital federal. A operação terá aval da União e as ações da Cedae em contragarantia. Se tudo der certo, R$ 2 bilhões já entram no caixa estadual na semana que vem, aumentando a chance de o estado quitar atrasados a partir do dia 20.

Esse empréstimo é a medida de efeito mais imediato entre as ações previstas pelo Regime de Recuperação Fiscal (RRF). A previsão é de a primeira parte do crédito (R$ 2 bilhões) entrar na conta do Tesouro Estadual três dias úteis após a publicação do contrato no Diário Oficial da União. Os R$ 900 milhões restantes virão em até 60 dias depois.

Enfrentando a angústia pelos atrasos e parcelamentos de salários, o funcionalismo estadual conta os dias para os recursos chegarem. Após tantas burocracias impostas pela equipe do Tesouro Nacional, qualquer passo para trás aumenta o sofrimento de servidores.

No entanto, ontem pela manhã, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, deu entrevista à Rádio Tupi e confirmou que a assinatura do empréstimo seria esta semana ele, porém, não cravou a data de hoje.

"Estamos ajudando o Rio de diversas maneiras. Essa semana vai ser concedido empréstimo com garantia do governo federal para o estado, que vai permitir que o Rio de Janeiro pague os salários atrasados", afirmou.

De acordo com o estado e com a própria lei aprovada na Alerj, os recursos do empréstimo têm que ser para pagamento de salários dos servidores. Assim, serão quitados o 13º de 2016, pendente para 227 mil pessoas, em um total de R$1,2 bilhão; o salário de novembro, em aberto para 211.638 vínculos, e cujo valor necessário é de R$ 619,6 milhões. Há promessa de pagar horas extras da Segurança Pública, em torno de R$ 40 milhões.

Agora, Pezão prefere não informar data do depósito, mas nos bastidores a equipe do governo diz que até o Natal tudo estará acertado.

 

Outros empréstimos também estão garantidos no plano

O Regime de Recuperação Fiscal (RRF) prevê ainda outros empréstimos ao Estado do Rio. No entanto, o de R$ 2,9 bilhões é o único destinado exclusivamente para pagamento de salários. Ao todo, serão R$ 11,1 bilhões em empréstimos ao governo do estado durante a vigência do plano.

Vale lembrar que esse montante considerava o valor de R$ 3,5 bilhões estimados inicialmente para a operação de crédito com garantia das ações da Cedae, e a quantia foi reduzida para R$ 2,9 bilhões.

As outras duas operações financeiras são para financiar a modernização da Secretaria de Fazenda e um Programa de Demissão Voluntária em estatais (a princípio, Central e RioTrilhos).

Por estar em Brasília com objetivo de fechar o empréstimo, Pezão remarcou a reunião que tinha agendada para hoje com o Movimento Unificado dos Servidores Públicos (Muspe). O encontro acabou transferido para o dia 20, quando haverá vigília no Palácio Guanabara.

Servidores querem calendário único de pagamentos e pedir a aprovação da emenda (do Psol) ao Orçamento de 2018 que impede parcelamento de salários, entre outros pleitos das categorias.

 

Fonte: Paloma Savedra . O Dia

12/12/2017 - PEZÃO VAI A BRASÍLIA NESTA TERÇA POR EMPRÉSTIMO QUE PAGARÁ ATRASADOS

PEZÃO VAI A BRASÍLIA NESTA TERÇA POR EMPRÉSTIMO QUE PAGARÁ  ATRASADOS

À Coluna do Servidor, governador disse que poderá assinar contrato com banco até esta quarta; com isso, débitos poderão ser quitados a partir da próxima semana.

O governador Luiz Fernando Pezão irá a Brasília nesta terça-feira para agilizar a contratação do empréstimo de R$ 2,9 bilhões com o BNP Paribas. À Coluna do Servidor, Pezão disse que participará de reuniões relativas ao tema, e que a assinatura deve sair até esta quarta-feira (amanhã).

Como parte dos recursos do empréstimo (R$ 2 bilhões) estará disponível no caixa estadual três dias após o contrato, ele sinalizou que há chances de o pagamento dos atrasados ser feito na próxima semana, diferente do estimado por ele antes, que era de quitar tudo até esta sexta.

O governador irá ainda à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado para acompanhar a análise do projeto de securitização das dívidas dos estados e municípios, além do prazo de aumento de anos para pagamento de precatórios.

A securitização pode ajudar a desafogar a vida financeira dos estados e municípios em crise, como principalmente o Estado do Rio de Janeiro. De acordo com o Senado, o projeto permite à administração pública vender créditos oriundos de parcelamento administrativos ou judiciais a instituições privadas.


 Estado acumula três folhas

O salário de setembro dos servidores estaduais ainda está em aberto para 25.287 vínculos, em um total de R$ 103,6 milhões, e o de outubro para 206.893 ativos, aposentados e pensionistas (o valor necessário é de R$ 576,7 milhões). E as dívidas são ainda maiores: há 227 mil pessoas aguardando o crédito do 13º de 2017, em um total de R$ 1,2 bilhão.

O governo afirma que, com o dinheiro do empréstimo, pagará esses débitos e também as horas extras da Segurança.

Mas as dívidas não vão parar por aí: nesta quinta-feira, cairá o décimo dia útil, e o estado prevê o pagamento do salário de novembro da Educação (ativos) e Segurança (todos). Em seguida, terá que quitar os vencimentos de todas as categorias.


Fonte: O Dia - Paloma Savedra

08/12/2017 - CAFÉ DA MANHÃ DO SINPOL CONTOU COM 200 PESSOAS E ENTREGA DAS CESTAS DE NATAL

   CAFÉ DA MANHÃ DO SINPOL COM  SORTEIO DE BRINDES E DISTRIBUIÇÃO DE 130 CESTAS NATALINAS



Farto café da manhã foi oferecido pelo Sindicato aos associados inscritos no mês de novembro

O tradicional Café da manhã do SINPOL mais uma vez foi realizado na Associação Cristã de Moços (ACM-Lapa), dia 8 de dezembro último, com uma grande presença dos associados da ativa, aposentados e pensionistas. Café com leite, sucos diversos, pães, geléias, pastas, frutas à vontade fizeram parte do delicioso cardápio. Cerca de 200 pessoas, entre associados e seus familiares, prestigiaram a confraternização natalina e de fim de ano do Sindicato. O presidente, Fernando Bandeira, a vice-presidente, Daisy Rocha, os diretores Luigi, Prates, a advogada Maria Goretti e a dirigente Maria Lúcia, da Fundação Santa Cabrini, compuseram a mesa.

Bandeira abriu os trabalhos agradecendo a presença de todos e conclamou a união da categoria diante dos desafios que a crise exigi, com pensionistas recebendo seus proventos com atraso e outros servidores que passam necessidades sem receber os salários há três meses.

Como nos anos anteriores, o Grupo de Gaita de Fole abrilhantou o café da manhã

Após o café da manhã foram sorteados 20 brindes e 20 cestas básicas entregues para os associados que se inscreveram nos meses de novembro e dezembro para receber o benefício, contendo 18 itens. O ponto alto da confraternização entre o SINPOL e seu quadro social, foi a apresentação do Grupo de Gaita de Fole Instituto Brasil Escócia (foto acima) que entoaram hinos escoceses e música popular brasileira, arrancando aplausos da plateia que aprovou os jovens de São Gonçalo, que participam de um projeto social quer visa educar crianças carentes, através da música escocesa. Ao final, Bandeira, Leonardo, auxiliados por Solange, Andréa,Thaís e Rafael entregaram as cestas de Natal contendo 18 itens a todos os presentes.

Família policial alegre com a tradicional confraternização natalina e de fim de ano

Associados elogiam e dão seu depoimento

Aos 81 anos, o comissário Pedro não falta às confraternizações do Sinpol

Pedro Jesuíno (foto acima), associado desde a fundação do SINPOL, de 81 anos, disse que a confraternização do sindicato com os associados é uma grande oportunidade de reencontrar velhos amigos. Trabalhei na Acadepol por 24 anos como instrutor de tiro. Aposentei em 1993. Venho todo ano, pois é muito bom rever os amigos e  aqueles que foram meus alunos na academia de polícia.

Outro que vem todo ano, é o associado Valter Novaes, de 66 anos e aposentado há dois. Valter lembrou uma história de quando fez teste de datilografia para ingressar na polícia, em 1978.

- Estava preocupado com a prova que era muito rigorosa. Os candidatos estavam na Escola Remington da Rua México, conta Valter. Dentro da sala um barulho danado das batidas nas máquinas de escrever. Fernando Bandeira, que era instrutor de um curso preparatório, se aproximou dele e disse: não se preocupa com esse barulho todo não. Parece que está todo mundo batendo rápido, mas na verdade está todo mundo catando milho. Faz o seu teste normalmente sem se preocupar com o barulho da sala que vai dar tudo certo, orientou Bandeira

Ao sair o resultado da prova, Valter ficou muito satisfeito porque foi aprovado na datilografia e depois nomeado e empossado como APJ  agente de polícia judiciária.

                                                                                                                                                                                                         Bandeira ao lado da mais antiga associada do Sinpol (E) D.Virgínia, de 96 anos

A mais antiga associada presente à confraternização foi a pensionista Virgilina Gomes dos Passos, de 96 anos (foto acima), que estava acompanhada da filha Luíza Paixão (de pé) e a amiga, Conceição (D), com Bandeira ao centro.

- Minha mãe faz questão de vir ao café da manhã, apesar de sua idade avançada. Ela ficou muito feliz ao ser sorteada com um ferro de passar.

Aposentada do IFP, Zélia Fialho, trabalhou por mais de 30 anos no Instituto Félix Pacheco como papiloscopista. Se associou ao SINPOL desde a sua fundação em 1993.

- Confio no trabalho do Bandeira e diretores. Eles brigam pela categoria, disse.


Veja abaixo mais fotos da confraternização do SINPOL






Exibindo 1 a 15 de 1412 1 2 3 4 5 »